26 de novembro de 2011 21:23

Fonte: Veja São Paulo

Com 90 quilos distribuídos em 1,65 metro de altura, a executiva Márcia Ornellas já passou por constrangimentos em shoppings. Uma vez, ao observar vitrines, foi recebida com uma frase à queima-roupa da vendedora: “Nossos modelos só vão até o 44”. Lojas de roupas estão entre os ambientes temidos por grande parte dos obesos, assim como várias situações da vida social. Para avaliar como são tratados e atendidos, VEJA SÃO PAULO convidou a executiva Márcia, o designer Roberto Labate, também acima do peso, e um casal dentro das medidas para um teste ao redor da metrópole. As duas duplas percorreram mais de vinte endereços na capital para checar possíveis diferenças no atendimento.

DUPLA 1
Elena Mesa MarquezProfissão: compradora técnica de uma empresa multinacional do ramo automotivo ■ Idade: 29 anos ■ Altura: 1,75 metro ■ Peso: 63 quilos ■ Manequim: 38

Marcelo Alves GermanoProfissão: gerente financeiro da SP Escola de Teatro  ■ Idade: 27 anos ■ Altura: 1,75 metro ■ Peso: 71 quilos ■ Manequim: 40
DUPLA 2
Márcia OrnellasProfissão: executiva de uma multinacional farmacêutica e modelo plus size  ■ Idade: 39 anos ■ Altura: 1,65 metro ■ Peso: 90 quilos ■ Manequim: 48

Roberto LabateProfissão: designer e empresário. Já fotografou para o catálogo de lojas GG, como Kauê  ■ Idade: 31 anos ■ Altura: 1,80 metro ■ Peso: 112 quilos ■ Manequim: 50

+ O aperto dos gordinhos: como vivem os obesos em São Paulo + Gordos e ex-gordos falam sobre suas dificuldades
PRIMEIRA PARADA: LOJAS DE ROUPAS Duplas só entraram em locais que não teriam peças da numeração de Márcia e Roberto

RUA OSCAR FREIRE E ARREDORES Carmin, Track and Field, Tufi Duek e Planet Girls — Os funcionários foram simpáticos e trataram os quatro com atenção semelhante  Avaliação: atendimento bom

Carlos Miele — A dupla GG chegou primeiro. A vendedora foi formal, explicou que a numeração é limitada e logo deixou Márcia de lado para atender Elena, que ouviu a funcionária tomar um sermão de sua superiora: “Quando for assim, não perca tempo. Avise qual é a numeração e atenda o outro casal”. À reportagem, a empresa disse que “lamenta o ocorrido” e que agirá para que ele não se repita  Avaliação: atendimento ruim

SHOPPING FREI CANECA Hering — Os atendentes exageraram ao insistir em elogiar o caimento de roupas apertadas para Márcia e Roberto Avaliação: atendimento razoável

Simulassão — A vendedora mostrou as maiores peças, mas não forçou a barra quando viu que não serviam Avaliação: atendimento bom

Calvin Klein — Após ver que não havia nada para Roberto, o vendedor o trocou por Marcelo. Com Márcia, foi pior: a vendedora sumiu. “Deve estar esperando eu ir embora”, disse a executiva. A grife declarou que as próximas coleções terão numeração até 50  Avaliação: atendimento ruim

+ Lojas que investem na moda plus size + Programas para quem deseja entrar em forma + Mulheres plus size: 25 dicas de como se vestir

SEGUNDA PARADA: BALADAS DA MODA Glamourosas, caras e conhecidas pelas hostesses implacáveis com quem está malvestido, as casas noturnas Disco, Mynt e B4 (essa última considerada “pré-balada”), todas na Zona Oeste, receberam os dois pares da mesma maneira. Os funcionários foram simpáticos, apresentaram os preços da noite e convidaram todos para conhecer o interior da casa Avaliação: atendimento bom

TERCEIRA PARADA: ACADEMIAS DE GINÁSTICA Para esse item do teste, Márcia e Roberto foram juntos a três academias: a Bio Ritmo da Avenida Paulista, a Runner de Moema e a Body Company, na Vila Mariana. Em todas elas, houve um tour para conhecer as dependências e uma apresentação de diversos pacotes. Obesos eram exceção entre os frequentadores, mas os atendentes insistiram em dizer que recebem gente de diversos perfis e que seus programas de emagrecimento são eficientes Avaliação: atendimento bom

QUARTA PARADA: SELEÇÃO DE EMPREGO Elena e Márcia visitaram algumas das lojas do Shopping Villa-Lobos com vagas fixas e temporárias para vendedoras
Colcci — Foi o maior contraste entre os locais visitados. Márcia odiou: “confirmaram que tinha vaga, mas ninguém sorriu e uma moça me olhou dos pés à cabeça com hostilidade”, disse. Elena adorou: “Quando pedi informações, um vendedor interveio e chamou o gerente, que disse que eu era o perfil procurado”.  Avaliação: atendimento ruim

Animale, TNG, Forum, M. Officer e Le Lis Blanc — Funcionários atenciosos esclareceram para as duas os trâmites da seleção para a equipe de vendas  Avaliação: atendimento bom

Osklen — para Márcia, disseram que o recebimento de currículos para vendas havia se encerrado e sugeriram a vaga de estoquista. Já Elena foi atendida pelo gerente, que afirmou que poderia tentar encaixá-la direto nas entrevistas  Avaliação: atendimento ruim

  • Essa matéria é genial! Adorei! A questão das vagas de emprego é quase criminosa. Ai ai se fosse comigo…

    • renatavaz11

      Se fosse comigo eu ia rodar a baiana e fazer um texto de repúdio no Blog Mulherão. uhauahauaha

      • maria paula

        concordo com, vc…

  • Paula Borges

    Gente, essa da Carlos Miele foi o fim… Eta povinho antipático!

  • karina

    Esse é o nosso Brasil,infelizmente isso acontece em todas as cidades, as pessoas não se tocam que o povo esta gordinho e que somos pessoas que precisamos de manequins maiores.
    É o fim da picada ver o desrespeito que existe em certas lojas. Comigo já aconteceu de entrar em uma loja e perguntar se tinha certa peça em tal cor e a vendedora me dizer que não tinha na minha numeração,dai para desespero da vendedora eu disse que não era para mim a peça,claro que não comprei nada e nunca mais entro na loja e nem indico.

  • Mari R

    É bom anotar as marcas com atendimento ruim, afinal está chegando o Natal e não quero correr o risco de comprar em lojas preconceituosas.

  • Lidiane

    Mandei currículo para uma loja num shopping chique da Zona Sul do Rio de Janeiro. No anúncio não tinha o nome da loja. Era a Zara. Não deu outra, ” agradecemos o interesse, mas daremos seguimento à seleção. guardaremos seu currículo, etc, etc,etc…” Se eu soubesse o nome da loja antes, nem teria perdido meu tempo e meu humor com isso…

  • a hering é das minhas favoritas, senão A favorita. mas, pelo menos aqui em BH, nunca senti essa insistência, sou sempre bem atendida e os vendedores super atenciosos, inclusive vasculham o estoque atrás das peças gg. vai ver tenho sorte. 😉
    de resto, nada me espantou.

  • Day

    É revoltante ver uma coisa dessas, mas é bom saber quais vão ser as lojas que eu nunca mais ponho os pés, nem mesmo se for pra comprar um presente pra alguém.
    O que já aconteceu foi eu chegar em uma loja e pedir pra ver determinado modelo de roupa e a vendedora fazer uma cara de piedade e má vontade e dizer: “Não trabalhamos com a sua numeração aqui.”, e saiu andando pra atender outros clientes, eu apenas agradeci e sorri. Mas mesmo assim eu continuei na loja olhando as araras, decidida a dar uma lição na vendedora, até que se aproximou de mim uma outra muito simpática, que sem questionar nada me mostrou tudo que eu pedi pra ver, até que em determinado momento eu saquei da bolsa uma lista de presentes, e comprei um valor considerável naquela loja. A outra vendedora ficou olhando de rabo de olho, amargando a boa comissão que perdeu. Sai super satisfeita com o atendimento. Eu ainda vou a essa loja, às vezes comprar um presente, outras vezes comprar acessórios ou sapatos pra mim, mas já marquei a cara da vendedora mal educada, sempre que ela chega perguntando se pode ajudar, eu digo que estou procurando a outra atendente, e mesmo ela dizendo que a outra está ocupada eu espero ou digo que volto outra hora.

  • Tatiana

    Infelizmente, isso é uma realidade. Se eu fosse contar toda pessoa q me viu e depois olhou p/ o próprio corpo, checando o físico, n faria mais nada na vida.

  • Já passei por várias situações semelhantes às da Márcia, em vários lugares. Até hoje me lembro da luta para encontrar meus vestidos de 15 anos (bem, no meu tempo era o vestido colorido e o branco da valsa… hahaha). Em uma das lojas a gerente veio com uma conversa para cima da minha mãe de “meus modelos vem todos de Nova York! Não tem nada para ela aqui!” (será que não tem gordos em NY?). Pior foi minha mãe brigando comigo por causa disso. Até que encontramos uma loja em que a vendedora se desdobrou para nos agradar, disse que ajustaria os vestidos, se fosse o caso, me mostrou a loja inteira. Resultado: compramos as roupas da família toda lá!
    Muito boa a reportagem, só não curti muito o “dentro das medidas” do início, mas de resto, matéria excelente, com dicas, inclusive, de lugares onde “não comprar”.

  • Nossa nem me fale em questão do emprego que isso,tbem rodaria a bahiana,ainda bem que muita coisa mudou graças á DEus mas o emprego ainda ta complicado creio,que ainda vai melhorar , mas falo para tdas as GGs não se inibam quando for procurar emprego, vcs acham,a hipocrisia ainda existe tenho fé em Deus que mudara ,mas graças á Deus que estão fazendo materias assim, e concerteza tdo melhorara,somos ggs e merecemos o msmo respeito pois na hora de pagar impostos ninguem quer saber se somos gordos ou magros não é msmo????, então desejo meus direitos, não exagero e só meus direitos como um cidadão como outro!!

  • ana claudia

    gente eu acho que apesar da gente estar conseguindo algumas coisas ,falta muito principalmente ,acima de tudo o RESPEITO ele e´fundamental pra qualquer coisa e pessoa beijocas a todos

  • Ana

    Mas como é isso? A que supostamente está “dentro das medidas” parece na foto mais gorda que a outra, ou tanto quanto.