13 de janeiro de 2015 22:50

Por Renata Poskus Vaz

Por que em lojas plus size, somos atendidas por vendedoras magras, e nunca o contrário? 

Certa vez fiz uma pesquisa aqui no Blog Mulherão perguntando o que as nossas leitoras desejavam que tivesse em sua loja plus size dos sonhos. No lugar delas eu pediria gogoboys sarados seminus servindo drinks enquanto eu apreciava as roupas das araras :p , ou então um telão gigante passando desfiles e making off das coleções disponíveis na loja pra comprar. Mas a solicitação da maioria foi: vendedoras gordinhas.  Algo tão simples, não é mesmo?

Acontece que a nossa Constituição Federal (art. 3º, IV) proíbe preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. Ou seja, ninguém no Brasil pode, por exemplo, anunciar uma vaga de emprego pedindo vendedoras magras, altas e com corpo definido. Também não se pode fazer o contrário. Oferecer uma vaga para vendedora gorda seria discriminar quem não é.

Conversando com alguns proprietários de loja sobre esse assunto, eles se queixaram de que as candidatas para vagas de vendedora são em sua maioria magras. As gordinhas simplesmente não aparecem. E isso não é difícil de acreditar, afinal, gordas não se arriscam a procurar emprego na área de moda porque cresceram à margem desse cenário fashion e ainda acreditam que não são aptas para exercer o ofício. É uma profissão para a qual poucas se prepararam, acreditaram não ter o perfil ideal e levará ainda um certo tempo para mudar essa percepção.

Do lado das consumidoras, a queixa é de que as vendedoras magras, por mais atenciosas que sejam, sempre parecem falar com falsidade. Não, não estou dizendo que de fato são falsas, mas é muito difícil acreditar nos conselhos e sugestões de uma profissional que não sabe o que é ser gorda. Além disso, conhecemos o nosso corpo. Um modelo de roupa 36 parece cair como uma luva em qualquer mulher que use 36. Já, por exemplo, mulheres que usem 48 podem ter o corpo completamente diferente e uma roupa que cai bem em uma, pode não ficar nada legal em outra.

Por isso, muitas clientes ainda preferem o sistema Self-service. Entram na loja, olham os produtos, provam sozinhas e pronto. Sem nenhuma vendedora magra e forçosamente simpática do lado de fora dizendo que tudo está lindo, mesmo quando não está. Ah, como isso irrita! Algumas vendedoras magras acreditam que só porque uma roupa coube em uma gordinha, que já está bom. Ignoram o caimento e que cada mulher plus size tem um formato de corpo diferente. Isso sem contar a personalidade.

Antes gorda não tinha direito de ter personalidade, tinha que comprar a roupa que tivesse. Hoje, com opções, algumas vendedoras magras ainda não tem essa percepção. E ninguém precisa ser uma Mãe Dinah do varejo. Basta saber fazer à cliente uma perguntinha básica: qual o tipo de roupa você gosta? Simples.

Não adianta empurrar uma roupa para a gordinha. Ela pode até comprar na pressão, mas vai se decepcionar e nunca mais voltar. Uma cliente bem atendida, mesmo que não leve nada de imediato, é uma compradora feliz e assídua em potencial.

Esperamos o dia em que as lojas plus size tenham dezenas de vendedoras gordinhas, lindas e que entendam muito de moda. Mas enquanto esse dia não chega, que as magrinhas que nos atendam sejam honestas e tenham verdadeiro interesse em nós. <3 <3 <3

  • Alice Primo

    Rê, qdo eu comprei aquele vestido de festa q VC publicou aqui no blog, o atendimento da loja foi fundamental… A vendedora era gordinha e super entendia todas as minhas necessidades! Foi incrível, ela trouxe só os vestidos que ficavam bem no meu tipo de corpo. Teve um que ela insistiu muito pra eu prova pq tinha certeza q eu ia amar e que o caimento ía ficar perfeito… E ficou, um luxo, mas optei pelo o que te mostrei. Na época a vendedora tbm deu vários dicas da cinta modeladora e até qual sapato mais confortável. Faz toda a diferença, sem dúvidas! Bjos e ótima matéria!

  • Priscilla Serafim

    Rê, você simplesmente escreve o que passa na minha cabeça mas não tenho sensibilidade para escrever assim lindamente.
    Aqui em Fortaleza é do mesmo jeito magrelas atendendo gostosonas como nós.
    bjs.
    Sua fã
    Priscilla.

  • mayara

    Me desculpe a crítica: mas como você gostaria de gogoboys SARADOS nas lojas e, ao mesmo tempo, quer que os homens desejem as gordas? Contraditório, não? Ser sarado, para um gordo entrar no padrão é o mesmo que exigir que uma gorda emagreça para ser desejada sexualmente.

    • Renata Poskus

      Mayara,

      Acho que você não conhece o Blog Mulherão. Eu jamais defendi que homens devem gostar de gordas. Aliás, sempre achei uma babaquice dizer que *homem que é homem gosta de b%¨$*. Não, homem não é obrigado a gostar de gorda, como gorda não é obrigada a gostar de magro, ou sarado ou outro gordo. Cada um tem seu gosto. Eu já mudei para me adaptar ao gosto de um magro, mas aprendi que me amando conquisto os mesmos sarados que me dão tesão.

      E, só para constar, está cheio de homem por aí que só namora gordinha.

  • Ana Paula

    Acredito que se colocassem no título da vaga ” Loja de Moda Plus Size” as gordas apareceriam sim.

  • Nenhuma loja Plus que eu fui tinha vendedoras gordas,entao mulherada bora se candidatar,uma loja que compro ele sempre m e deixa a vontade deixa eu escolher e n fica empurrando as roupas que eu n gsto! Amei o tema Re,vc e otima!!!

  • karlinha

    As lojas não deixam explicito o preconceito porque tal ato seria arbitrário +existem sim!nas seleções aquele olhar descriminatório,para a garota gordinha ou negra.A maioria lojas que entro as vendedoras são loiras e magras parecem uma só,algumas até são vindas de agências de modelo.Eu prefiro mil vezes o sistema Self servi.Fui!

  • Paloma

    Adorei o post porque traduz tudo oq nós GG passamos, eu por muitas vezes pensei em me jogar para trabalhar em lojas e etc mas sempre deixei que o pensamento de que não me aceitariam para o cargo me dominasse devido ao preconceito que sempre existiu! Eu também fico muito mais a vontade nas lojas de departamento por esse motivo, traduziu meus pensamentos!! Parabéns ^^

  • Parabéns Renata. Seus posts, como sempre, são muito bem escritos, com uma narrativa leve, direta e sempre assuntos pertinentes ao universo das gordinhas. É interessante quando se entra numa loja de tamanho considerado “normal”, e só essa própria ideia já é um absurdo, pois coloca quem veste o tamanho maior como “anormal”, e constatar na cara da vendedora aquele semblante tipo “não tem roupa pra você”! E esperar para que os proprietários de lojas percebam isso, e saibam atender melhor esse público, que por sinal, demanda é o que não falta. Quem chegar na frente, ganha mais. É a lógica do mercado.
    Obrigado Renata, mais uma vez.

  • Que coisa! Os proprietarios de lojas esperam as candidatas gordinhas e elas nao aparecem. Muito triste. Quem sabe depois dessa materia elas pensem melhor e se aventurem a uma vaga…excelente artigo!

  • Mariani

    Adorei essa matéria, me identifiquei bastante.
    Mas eu tenho aqui uma duvidinha… eu já vi vários anúncios Plus Size com modelos que pra mim de fato não são Plus, só tem curvas mais acentuadas. Tem lugar que diz que vestir 44 já é PLus Size, mas eu discordo. Há um consenso entre isso? Porque eu me incomodo bastante em ver isso, e fico mais bolada ainda se vou ver os tamanhos e o GG deles veste 46.
    Posso estar errada, mas estou aqui expressando minha humilde opinião!
    Obrigada 🙂

  • Aline

    Boa Tarde,

    Primeiramente gostaria de te elogiar.. seu blog é realmente a tradução de tudo que nós pensamos e sentimos mais que muitas vezes não temos a chance ou coragem de expressar… :/
    Bom, todas essas questões tem sido de grande importância para a minha pesquisa de mercado… quero abrir uma loja PLUS esse ano e quero ter diferenciais que as mulheres gordinhas assim como eu, procuram e não encontram nas lojas existentes!
    Bjs

  • Claudia

    Concordo plenamente que nós as fofas nós sentimos mais a vontade em ser atendidas por atendentes fofas, pois elas são mais honestas no critério se a roupa caiu bem ou não, por enfrentarem o mesmo drama na hora de comprar roupas.
    Infelizmente alguns donos de lojas não foram honestos suficientes com você, pois eu quando era mais nova busquei vagas em lojas Plus Size e não fui contratada, pois alegavam que o estoques das loja era apertados e no andar superior , em outras palavras não era muito recomendável contratar pessoas acima do peso, pois não teriam a mesma agilidade de que as magras.
    Pois depois de muito tempo consegui uma colocação em uma loja Plus Size, mas no próprio anuncia ela informava que era loja Plus Size e que ela tinha preferência por moças que usassem manequim superior ao tamanho 50.
    Fui muito bem recebida, trabalhei por algum tempo, depois consegui um estágio em minha área e saí!
    Parabéns pelo Post.

  • Hellen

    Acredito que independente de ser magra ou gorda, a vendedora deve conhecer o produto e os diferentes biotipos. Trabalho com moda plus size há 10 anos e os critérios para efetivar uma funcionaria independem de peso ou beleza, mas sim de qualificação e boa vontade. Vender e atender requer conhecimento , treinamento e sensibilidade. Acho totalmente injusto discriminar uma vendedora magra (e isso acontece muiiito) ou escolher apenas pelo peso. Como compradora de moda estou sempre atenta à qualidade dos produtos fornecidos, modelagem, e bem estar de minhas clientes, e definitivamente nenhuma dessas habilidades se relacionam diretamente com o meus atributos fisicos. Claro que quando você vive uma situação, você se identifica mais rapidamente, o que não impede a vendedora conhecer , saber, aprender. Vamos lutar por menos preconceito, seja ele qual for, vamos dar valor para o conhecimento, preparo, treinamento e força de vontade! Nossas vendedoras são muito elogiadas pelo atendimento, algumas magras, outras não. Ambas já presenciaram preconceito, todas recebem treinamento e se beneficiam dele. o importante é amar o que faz! Amo seu blog! Parabens!