renata-poskus-5
26 de outubro de 2016 00:41

Antes de começar o mimimi da patrulha da banha (aquela que finge preocupação com a saúde alheia só para ter um motivo para fazer valer a sua inconveniência na vida dos outros), esclareço que este é um texto em primeira pessoa, com a MINHA opinião sobre 7 coisas que melhoraram na minha vida depois que engordei quase 40 Kg.

Muita coisa mudou para melhor quando engordei. Não, isso não é uma apologia à obesidade, é a minha visão, minha vivência e quero e mereço compartilhá-la. Tem gente que fica doente quando engorda e, acredite, tem gente como eu que recupera a felicidade e até alguns aspectos da saúde quando engordam. Então segura essa que dói menos.

7 Coisas que melhoraram depois que engordei quase 40 Kg:

1) Dores na coluna

Magra: Quando pesava meus 60 Kg, dançava ballet clássico. Eu amava ballet clássico. Minha professora, que me acompanhou dos 8 aos 17 anos, é fisioterapeuta. Ou seja, teoricamente, acompanhava também a intensidade dos exercícios que eu praticava e o impacto que causavam no meu corpo. Se engana quem acha que ballet é coisa light. Ballet é contorcionismo, saltos, repetições, exercício pesado, de alto impacto, nada de leve. Mesmo sob o olhar atento da minha professora, eu vivia com dores na coluna. Quando saí do ballet, ainda assim continuei com outras atividades físicas, é aí que surgiu uma hérnia e dores no nervo ciático que me acamavam. Fazia acompanhamento com um médico famosão especializado em atletas, tomava injeções, anti-inflamatórios caros e fortes e nunca, nunca melhorava.

Gorda: Reduzi a intensidade e o impacto dos exercícios. Dancei até atingir 87 Kg, depois parei. Hoje peso uns 97, mais ou menos. Mas, gorda, pego leve. O suficiente para ter boa saúde. Obedecia os limites do meu corpo e nunca, nunca mesmo, senti novamente aquelas dores horríveis na coluna. E olha que uso salto alto direto, fico horas em pé nos eventos. Vejo muito mais notícias de atletas de instagram operando coluna, do que de gordos passando pelos mesmos procedimentos.

renata-poskus-1

2) Gente não me manda emagrecer

Magra: Quando pesava 62 Kg em 1,72m, chovia de gente me sugerindo perder peso para ficar magra. Isso mesmo. Ouvia até de namorado, da professora do ballet e da amiga que pesava 150 Kg. Gente que de fato não estava preocupada comigo, queria apenas ser inconveniente, invasivo e se sentir superior tentando me humilhar com o que de fato mais me atingia: a minha autoimagem. Todos diziam: ” falta tão pouco para você ficar perfeita”, “se emagrecer x Kg eu caso com você” e por aí vai. E quanto mais triste eu ficava, mais insistiam nas sugestões inconvenientes de emagrecimento.

Gorda Não dá para ninguém me sugerir emagrecer 1, 2, 5 Kg pois eu não estou mais com o dito “peso ideal” ou um pouquinho acima. Emagrecer só isso não faz diferença alguma na minha silhueta. Eu estou acima do peso que consideram ideal pra caramba, uns 40 Kg. Então, aos olhos daqueles que me pressionavam no passado eu sou tipo um caso perdido. Ou, então, para eles finalmente tenho um ” defeito”. A Renata é isso, aquilo e aquilo outro, mas ainda bem que pelo menos ela é gorda, pensam eles. E, de certa forma, estar gorda me trouxe paz. Não que ainda não existam pessoas inconvenientes que me sugiram emagrecer, mas diminuiu. Tá sussa.

renata-poskus-2

3)  Sexo sem pudor

Magra: Quando eu tinha 1 gordurinha nas costas, eu queria apagar a luz, me cobrir, só tirar a roupa na frente do boy se ele tivesse muito bêbado, para não lembrar da minha enorme dobrinha de 1 cm no dia seguinte.  Não curtia, porque estava sempre achando que eu não era bonita o suficiente. Aí vira a chata dos lençóis: “não olha aqui”, “não poe a mão ali” e por aí vai.

Gorda: Quando você tem 8 dobras grandes que ocupam suas costas inteiras, celulite, barriga saliente, pepeca gorda, estrias, não tem como esconder. Se tapar de um lado, sobra do outro. Se esconder aqui, aparece ali. A solução é relaxar e gozar. Já era. Você se entrega e para de se preocupar com o que o outro vai achar. “Se me achar feia ou gorda demais, foda-se, pelo menos eu curti”. É assim que você pensa. Deixa fluir. Torna-se mais segura e o sexo melhora mil vezes.

renata-poskus-3

4) Autoestima

Magra: Antes, não conseguia me achar bonita por não ser magra o suficiente, e isso interferia em vários aspectos da minha vida, como no trabalho, relacionamentos amorosos, amizades etc. Me achava feia, insuficiente, gorda, mesmo sem ser. Vivia atrás do tal “peso ideal”, do inatingível IMC “normal”. Isolava-me.

Gorda: Foi só com a proximidade da obesidade que aprendi a me amar. Eu fazia dietas desde os 13 anos e só fracassava. Então, pensei: “que tal tentar ser feliz como sou, já que mudar não tem dado certo?”. E funcionou. Claro que o processo foi gradual. Primeiro, precisei enxergar em mim outras qualidades, que faziam de mim alguém única, especial. Aprendi a mandar pessoas para aquele lugar quando se intrometiam na minha alimentação ou no meu físico. Aos poucos, redescobri quem sou, coisa que magra jamais consegui.

renata-poskus-4

5) Beleza

Magra: Escondia-me, não me cuidava. Achava que devia usar roupas largas e nada de maquiagem ou extravagâncias, para não ser notada.

Gorda: Quando finalmente assumi minhas curvas, passei a valorizar cada parte gorda do meu corpo. Cada curvinha, cada detalhe. Me vestia com roupas que sempre quis. Aprendi a ousar. Aprendi a me maquiar, a me arrumar, a estar sempre linda, para mim e mais ninguém. Meu amor próprio fez com que eu me tornasse mais bonita até para os olhares alheios. Uma pessoa que só se coloca para baixo está longe de ser atraente, uma pessoa que se ama é encantadora.

renata-poskus-5

6) Saúde

Magra: Além das dores na coluna, eu sofria de constipações intestinais, dores no estômago, gastrite, minha pele vivia cheia de espinhas.

Gorda: Meus exames estão ótimos, obrigada! Saúde de ferro. Nada de “doença de gordo”, aquelas que adoram dizer que morreremos delas: colesterol alto, diabetes etc. Minha pele tá sempre linda e faço coco todo dia, o que não me deixa nada enfezada. hahahaha

renata-poskus-6

7) Relacionamentos

Magra: Não saía,  não me divertia, ficava sem comer, ficava fraca e mal humorada. Se não me sentia bem comigo mesma, como me sentir bem com os outros?

Gorda: Hoje danço, saio, me divirto, não me privo de comer nada do que tenho vontade. Estou sempre cheia de energia e vitalidade. Só mantenho ao meu lado gente que me quer bem, que não interfere nas minhas escolhas. Passei a me amar mais, hoje sou segura e bem-resolvida. Isso atrai pessoas. Isso me faz feliz.

Isso quer dizer que nunca irei emagrecer?

Não assinei contrato para ser gorda. Posso emagrecer se um dia desejar. Porém, sei para onde não quero voltar. Ser magra sem saúde não é legal. Ser magra infeliz não é legal. Cada um deve conhecer e respeitar os seus limites. ♥

Sigam-me no instagram: @renataposkus e @blogmulherao

 

  • Mariza Vasconcelos

    Parabéns, você é linda e maravilhosa, um tremendo avião! BJ