5 de junho de 2012 06:21 comportamento

Mulher de verdade

Por Eduardo Soares

Tínhamos brigado feio justamente no dia dos namorados (eis uma situação real porém inacreditável). A coisa foi tão séria que não houve qualquer tipo de diálogo durante a semana inteira (fato raríssimo nos quase três anos de namoro). Se tem uma coisa que irrita é ver o(a) espertalhão(ona) querer comprar alguém com presentes numa tentativa  canalha de abafar um conflito em aberto. E bobo daquele que aceita o mimo como forma de “cala boca”. Não era o nosso caso. Depois do mar silencioso que nos separava cada vez mais, dois dias antes dos fatos que virão a seguir, e com o intuito de chegar num consenso satisfatório para ambos, conversamos bastante. Acordo feito, e a harmonia saindo do freezer rumo ao lugar da onde nunca deveria ter saído. Ok, se o clima não ficou 100% romântico depois do papo, pelo menos alimentávamos uma chateação menor diante dos dias pós-briga.

Como o clima estava voltando ao normal, era a hora de recuperar o tempo perdido. Sempre gostei de paparicar. Se não posso dar um Audi conversível branco ou uma casa de veraneio em Angra dos Reis, coloco a cabeça para trabalhar visando encontrar algo marcante dentro dos padrões financeiros de um brasileiro não endinheirado. Durante os anos de namoro, ela dizia nunca ter recebido uma cesta (tipo café da manhã). Lâmpada acesa na cabeça! Era a deixa.

Usei meus (inexistentes) dotes artesanais: comprei uma espécie de baú (apropriado para presentes), papel estampado com corações para forrar o fundo do baú, perfumes, cremes, estojo de maquiagem, loções, hidratantes, CD do Roupa Nova e um saco com pétalas de rosas vermelhas (que foram devidamente espalhadas entre o conteúdo, formando assim um belo aspecto visual). Passei a tarde inteira quebrando a cabeça para organizar tudo aquilo de forma em que o resultado final ficasse digno destas cestas que encontramos nas vitrines das perfumarias. Ah, de alguma forma eu queria demonstrar que precisava daquela morena do meu lado.

Enquanto eu desarrumava os itens pela 29ª vez, eu ria ao imaginar a reação dela ao ver aquilo. Bom, foi além do imaginado. Era nosso primeiro contato em dez dias. Ela chorou. Aquelas lágrimas, se fossem decifradas, teriam um significado próximo de “ei, não quero brigar com você, seu mala-sem-alça”. Dei o presente. Era nítido que aquilo não era fruto de uma Boticário da vida. O embrulho, a arrumação imperfeitamente perfeita, a fita dourada contornando o baú, os itens que ela adorava, o cheiro de um perfume do seu gosto (pedi uma amostra grátis para borrifar no presente)…

Ela ficou alguns minutos em silêncio, observado o conteúdo daquele baú. E eu agoniado, comecei a suar (aquele suor, se fosse decifrado, teria um significado próximo de “ei, quero saber se você gostou, patroa”). Subitamente, ela me beijou demoradamente. Ah, alívio. Em seguida, pediu um instante e foi para a sala. Na volta, trouxe um presente (também inesperado) para mim. Outro beijo demorado (este, se fosse decifrado, teria um significado próximo do inexplicável). Declaração de ambos, olho no olho. Peguei-a no colo, era ria como uma adolescente. Esse grand finale era algo comum entre a gente. Posso dizer que ela conseguiu me rejuvenescer. Éramos dois quase trintões (ela, com 29; eu com 26). Juntos, parecíamos dois teens recém apaixonados. E nunca nos preocupamos com o que os outros iriam dizer. Tempos depois o namoro acabou, mas sua essência nunca sairá da nossa memória. Foi algo especial. Foi algo de verdade.

Essa introdução quilométrica busca reforçar algo raro. Mulher de verdade é aquela que consegue ser especial sem qualquer tipo de esforço. É aquela que “amansa” o ímpeto do cara antes pegador de todas. Se for esperto, ele para. Ela exerce o papel racional dentro do relacionamento. Tem homem, inteligente, que faz questão de ouvir a amada. Mulher de verdade apoia, sempre. Mesmo que o apoio venha em forma de bronca. Quando preciso for, o amor precisa ser enérgico. Amor tem pulso forte, personalidade. Amor é persistente (basta ter motivos). Amor exala companheirismo, cumplicidade, carinho, harmonia, aconchego. Mulher de verdade tem pulso/personalidade forte, é persistente (basta ter motivos), companheira, cúmplice, carinhosa, harmoniosa. Tem o abraço aconchegante e um beijo que vale mais do que dois mil beijos de todos os antigos romances superficiais.

Na hora das divergências, algumas mulheres apontam o dedo na cara. Mulher de verdade encara a turbulência com sabedoria. Mulher de verdade não apenas beija. Ela sela com a boca o compromisso do “que seja eterno enquanto dure”. Ela não faz sexo. Para isso, existem várias. Ela se entrega ao amor e pede o mesmo em troca.

Mulher de verdade surge como abrigo quando o companheiro está perdido. Ela não acusa simplesmente. Ela procura a causa para tomar as providências. Mulher de verdade sofre quando o homem teima em ser de mentira. Ao brigar, ela chora ao ver que o homem, seco, não vê razões para chorar.

Se você, camarada, tem uma mulher de verdade do lado, considere-se um sortudo. Mulher de verdade é, antes de tudo, raridade. Mas caso você (assim como eu) ainda não encontrou a sua, descarte qualquer tipo de conformismo.

 Sonhar ainda é permitido.

E o seu sonho pode acontecer no próximo amanhecer.

Quer trocar relatos de experiências sexuais e tirar dúvidas com outras mulheres gordas? Entre no GRUPO SECRETO DO MULHERÃO, no Facebook, com entrada permitida apenas para mulheres: Clique aqui para acessar

MAIS MATÉRIAS INTERESSANTES