30 de agosto de 2012 00:41

Vamos fingir que não percebemos um cabelo feminino na frente do #boymagia

Por Renata Poskus Vaz

O reino dos mulherões tem um rei digníssimo, Alexandro Pereira Firmino, um negro alto, lindo, sarado (e bota sarado nisso!) de 31 anos, que é conhecido pelos amigos como TYSON. Sim, TYSON, fazendo menção aquele lutador super, ultra, mega forte e gostoso. Mas ao contrário do famoso boxeador, Alexandre só nocauteia as mulheres com seu charme, beleza e simpatia. Como se não bastasse, organiza festas e eventos destinados especialmente para o público plus size, que reúnem cerca de 500 pessoas. Mas isso é só um hobby ao qual se dedica com carinho. No dia a dia é funcionário da casa civil do Governo do Rio de Janeiro. U lá, lá!

Ah, só para constar, ele acaba de ficar solteiro. #todascomemora!

Porém vc deve amar crianças para fisgar seu coração, pois o bonitão é pai de 6 crianças, sendo que os caçulas, gêmeos, nasceram há apenas 20 dias.

Alê e seus 3 filhos mais velhos

Mulherão: Mas acabou de ter filhos e já está separado?

TYSON:  O fato de como casal as coisas não irem bem e termos nos separado, não diminui o carinho que tenho por ela e o amor que tenhos pelos meus “filhotes”.

Mulherão: Como surgiu a idéia de fazer um evento só para gordinhas?

TYSON: Em 2009 produzi uma festa eletrônica em alto mar, na região de Angra dos Reis, para 300 pessoas. Entre elas havia 3 gordinhas de Minas Gerais que ficaram o tempo todo longe das outras pessoas, super deslocadas. Estava um calor de 40º, todos os homens de sunga, as mulheres de biquínis e só as 3 gordinhas de maiô e vestidos. Uma delas veio ate mim e pediu para tira uma foto, foi super simpática e era impossível negar o pedido. Foi quando uma, ao me agradecer, falou que eu fui o único que aceitei tirar fotos com elas. Uma pessoa, inclusive, disse para elas que não aceitaria fotografar porque na máquina cabia apenas uma pessoa por foto. Um absurdo! Peguei o microfone com o DJ e falei que o evento era aberto a todos, sem preconceito!

Falei que havia no canto meninas que não haviam se quer tomado um gole de cerveja. Foi quando tomaram um banho de bebida e começaram a se divertir! Foi então que elas me sugeriram um evento só com gordinhas. E eu adorei a idéia de proporcionar um encontro para pessoas gordinhas, seus amigos e familiares, em que não sofressem nenhum tipo de preconceito ou hostilidade.

E ele cozinha nos eventos!

Mulherão: Quando aconteceu o primeiro encontro de gordinhas e admiradores realizado por você e seus amigos promoters?

TYSON: O primeiro foi organizado com os participantes da comunidade G&N (Gordinhas e Negros) do Orkut. Aconteceu em 2009 e recebemos pessoas que pesavam mais de 200 quilos. Foi um sucesso! Depois fizemos outro em novembro para mais de 200 pessoas, com direito a churrasco e piscina.  Cada festa tinha um tema e essa foi a Festa Brega.

Mulherão: E os eventos que produziu sozinho?

TYSON: Continuei produzindo eventos nas horas vagas e trabalhando numa multinacional. Em 2010, na Copa do Mundo, organizei meu 1° evento sozinho, uma feijoada. Forma 112 pessoas. Logo depois produzi mais 9 eventos para gordinhas. Um dos que mais me orgulho é o Natal Fats, em que recolhemos a doação de mais de 200 brinquedos que foram entregues à uma creche.

Mulherão: Mas você já curtia se relacionar intimamente com gordinhas nessa época?

TYSON: Eu gosto de gordinhas desde que nasci. Poder amar uma gordinha é privilégio para poucos! Eu gosto de mulheres de rosto arredondado, pernas grossas, busto fartos. E se a sociedade diz que isso é gostar de uma mulher gordinha, eu respondo que EU AMO.

Mulherão: De onde vem e como são essas pessoas que freqüentam seus eventos?

TYSON: Todos os meus eventos têm um custo acessível. Com isso, recebo gordinhos de todo o Brasil. Vêm pessoas de Minas Gerais, Brasília, Curitiba, Bahia, Espírito Santo, Amazonas e as que nunca faltam são as de São Paulo. Tive o prazer de conhecer pessoas que não saíam de casa por depressão, com vergonha de usar um maiô, de dançar ou até de levar a sua família a um passeio com medo de servirem como piadas de mal gosto. E o mais interessante disso tudo, é que o único meio de divulgação do evento é a internet e o boca-a-boca gerado pela satisfação de quem já foi aos encontros.