6 de janeiro de 2014 20:14 Beleza

Porque não precisamos de uma Barbie gorda

Por Cíntia F Rojo

Barbie Gorda

Eu não queria falar sobre esse assunto pois, para mim, o timing já tinha passado. Ficou lá atrás, no finalzinho de 2013 e todo mundo que tinha que se pronunciar a respeito já o tinha feito. Acontece que, como faço muitas pesquisas na área de maquiagem, estou sempre de olho nas pautas de beleza mundo afora e foi numa dessas pesquisas que eu cheguei a uma publicação mexicana, voltada para o público feminino de 15 a 20 anos, sobre a tal Barbie Gorda.

A Barbie Plus Size (eu sei que muitas pessoas não gostam da palavra “gorda”) foi uma iniciativa de uma agência de modelos, a Plus Size Modeling, que divulgou a foto no seu perfil do facebook com a seguinte pergunta: as empresas de brinquedos deveriam começar a fabricar Barbies plus size?

Eu já tinha visto a tal foto, já tinha opinado sobre a boneca e achei que, como “assunto do momento”,  a história toda tinha acabado. Hoje, porém, mesmo tendo se passado muitos dias, vi na revista estrangeira que o assunto continua entre os mais acessados entre as adolescentes daquele país e fui ler os comentários das meninas.

Existe um misto de opiniões: “deveriam fazer uma com medidas medianas para que, desde pequenas, as meninas saibam que não é bom ser magra demais ou gorda demais”; “não vejo sentido em lançar uma boneca dessas; é o mesmo que dizer que engordar é bom e isso pode influenciá-las negativamente”; “não me odeiem mas a gorda, definitivamente, não me agrada”. Mas eu gostei do seguinte argumento: “a verdade é que se os pais educarem adequadamente suas filhas, não terão que se preocupar com a influência da boneca sobre as meninas. Sobre ser muito magra ou estar acima do peso, não significa que sofram de transtornos alimentares. Há pessoas que nasceram assim como também há pessoas que nasceram com corpo atraente sem terem feito cirgurgia”.

A Barbie foi criada no final da década de 50 e simboliza uma mulher jovem, descolada, amiga, companheira, romântica e politicamente correta. Como sempre foi uma  personagem extremamente magra, nunca foi um modelo de opressão para as mulheres gordas. Ninguém nunca esperou de mim, nas curvas do meu quadril 48, que eu fosse como a Barbie e, com isso, sempre tive a chance de mostrar outras qualidades que as mulheres-barbie não têm a chance de mostrar pois acabam sempre sendo transformadas em troféus. Há mulheres que não se incomodam com isso – ok, cada um sabe o que lhe traz felicidade! – mas outras mulheres acabam se tornando reféns da própria beleza.

Eu gosto muito da beleza genuína, a beleza autêntica. Se temos uma festa de gala, parecemos deslumbrantes. Se vamos ao supermercado, parecemos lindas em nossos looks-de-empurrar-carrinhos. E tem a nossa beleza de quando vamos levar os filhos à escola, quando estamos na praia, quando vamos faxinar a casa (opa! Porque não?) ou quando temos que dar uma mãozinha de tinta no teto do banheiro (totalmente autobiográfico! Rs). As Barbies fazem essas coisas? Não. A Barbie é tão irreal, tão irreal, que devemos deixá-la do jeitinho que ela está: nas coleções dos aficcionados, nas prateleiras das lojas e nos baús de brinquedos.  Não há razão para nos preocuparmos com ela.

Creio que um pouco de fantasia não faz mal à ninguém e nossas meninas podem brincar à vontade com suas bonecas magrinhas e platinadas. A lição sobre auto-estima elas aprenderão quando olharem para nós, mulherões, e entenderem que é possível ser bonita, realizada e feliz independente do manequim.

(Foto: internet)

Quer trocar relatos de experiências sexuais e tirar dúvidas com outras mulheres gordas? Entre no GRUPO SECRETO DO MULHERÃO, no Facebook, com entrada permitida apenas para mulheres: Clique aqui para acessar

MAIS MATÉRIAS INTERESSANTES