21 de maio de 2014 00:50 Preconceito

Sua saúde vai bem, mas você está gorda!

gorda
Por Giovanna Sbrissia

Sempre fui gordinha, então, desde pequena, ouço dos médicos a mesma ladainha sobre peso – ok, muitas vezes correta e como precaução – mas uma coisa começou a me incomodar com o passar dos anos: Poderia eu estar com gripe, ou então ter quebrado o dedinho da mão, tudo iria acabar se relacionando com meu excesso de peso, de formas muitas vezes constrangedoras.

“Vou te receitar um antigripal, e também te encaminhar para um colega meu nutricionista” E quando as cirurgias bariátricas passaram a ser, também, tratadas de forma mais estética: “Você nunca pensou em operar? Sua saúde está ótima agora, mas em breve você poderá ter problemas!”

Ok, todas nós sabemos que o excesso de peso traz sim alguns tipos de danos a saúde, e eu não estou aqui para levantar uma bandeira pró gordura mas, sim, para conscientizar de que ser gordinha não precisa ser sinônimo de pessoa doente. Minha saúde? Vai muito bem, obrigada.

Da mesma forma que existem pessoas magras, que tem péssimos hábitos, existe gordinhas e gordinhos que tem uma ótima qualidade de vida, praticam exercícios e são saudáveis.

Chega de preconceito! Abaixo, mostraremos alguns relatos das nossas leitoras sobre situações constrangedoras em consultórios e hospitais. Você já passou por algo assim?

Conte-nos nos comentários!

gorda 2

“Fui fazer um teste admissional para entrar em um emprego, o médico era um cirurgião plástico, um dos maiores de Goiânia e ele me perguntou se eu tinha inúmeros problemas por causa do peso. Eu respondi que não tinha nada, e ele me disse que iria me aprovar por caridade, pois eu não estaria apta para trabalhar pois estava gorda. Depois disso ele me indicou a clínica dele pra eu me tratar, eu fiquei boba, mas como era meu primeiro emprego e eu precisava, tive que engolir tudo que ele disse. Eu estava com 90 kg.” (Jossana Lauria)

“Tive cólica renal, e fui ao posto para uma consulta e pedir requisição para um ultrassom. O médico era Endocrinologista e a todo o momento me aconselhava a ligar para o seu consultório para fazermos um tratamento.”
(Jussara Nilsen)

“Fui em uma ginecologista pois queria engravidar, e ela foi super grossa. Disse que eu nunca conseguiria por conta do meu peso, e corria risco de morrer e deixar o filho largado no mundo.” (Day Duvale)

É claro que muitos são os médicos que realmente se preocupam com a saúde do paciente, mas e quando isso se torna um preconceito CLARO? O que devemos fazer? A quem recorrer? A gordofobia infelizmente segue sendo um dos preconceitos “aceitos” em nosso país.

 

Quer trocar relatos de experiências sexuais e tirar dúvidas com outras mulheres gordas? Entre no GRUPO SECRETO DO MULHERÃO, no Facebook, com entrada permitida apenas para mulheres: Clique aqui para acessar

MAIS MATÉRIAS INTERESSANTES