28 de maio de 2014 23:59 comportamento

Oferecer a outra face ou mandar para a p.q.p?

Renata Poskus

Por Renata Poskus Vaz

Mesmo quem não é cristão,  no Brasil, cresce ouvindo os ensinamentos de Jesus. Na escola, em casa, na rua, sempre vai existir alguém te dando um conselho que, na verdade, leu no evangelho ou reproduziu sem nem ao menos saber de onde vem.

E eu sempre achei isso tudo uma chatice. A morte para mim era ouvir o “ofereça a outra face”, quando um “inimigo” me agredia. Eu achava tão babaca essa história de oferecer a outra face! Pensava: “ah, tá, Jesus não tinha que aguentar esse povo que eu aguento. Eu serei uma babaca se não revidar!”. E estava lá eu seguindo a Lei de Talião e distribuindo sopapos para todo lado.

Se você não sabe o que é a Lei de Talião, eu te explico.  É a lei do “olho por olho, dente por dente”. As primeiras inscrições sobre essa lei datam de  quase 2 mil anos a.C. Então, a sugestão de Jesus de “oferecer a outra face”, veio para tentar reverter essa história de fazer justiça com as próprias mãos, vingança e retaliação.

Só que eu,  toda trabalhada no rancor (não fui sempre assim, mas por uma série de fatores fui ficando meio azedinha), acabei adotando e praticando com afinco a lei do “olho por olho, dente por dente”. E nessas, com o tempo, de tanto “olho por olho,  dente por dente”, acabei cega e banguela. E quem não enxerga e não tem dentes para de perceber a beleza da vida e o sabor doce que ela pode ter.

Sempre, desde pequena, atrai inveja, cobiça e a ira de muita gente (sou linda e inteligente, desculpa, fazer o quê?!  :p ). Eu me recordo, por exemplo, de quando tinha uns 7 anos de idade e fui à uma festinha de uma criança do  meu prédio. Eu era uma garota boazinha. Lá, a mãe de uma menina, alcóolatra, começou a ridicularizar a mim e ao meu irmão. Dizia: “a roupa de vocês é descartável? A cada festa vocês estão com uma roupa nova? Vocês se acham melhor do que os outros?”. Hoje, como adulta, imagino que aquela mulher estivesse com inveja, ou até mesmo decepcionada consigo mesma, em ver que minha mãe podia nos dar uma roupinha nova a cada festa e que ela não poderia fazer o mesmo por sua filha. Mas na época eu era uma criança e simplesmente não entendia aquele ataque desnecessário. Eu nem percebia que estava com roupas novas enquanto outras meninas usavam roupas repetidas. Isso é coisa de adulto! Eu chorei,  guardei aquelas palavras e jurei para mim mesma: “quando eu for grande, ninguém vai falar assim comigo”.

E eu fui crescendo e “aprendendo” a me defender atacando. Com o Blog Mulherão, ataques injustificáveis, inveja, ira e provocações contra mim continuaram. Coisa baixa mesmo, de gente medíocre que precisa atacar e acabar com a vida dos outros para se sentir menos insignificante. E eu que trabalho certinho, com muita dedicação e afinco, me sentia injustiçada. Dava valor demais para quem não merecia. Respondia, atacava, brigava, pois acreditava que eu tinha direito à retaliação. E de certa forma, até tinha mesmo. Mas no final, eu sofria. E era muito sofrimento mesmo, que me causava noites de sono mal dormidas, minha saúde, minha paz.

Ao não dar a outra face, eu recebia toda aquela emanação de ódio e a cultivava e a alimentava, dentro de mim. De repente, eu não era mais vítima, mas algoz. A minha própria algoz!

Não foi em um dia ou dois que eu reavaliei tudo isso. Demorou muito tempo. E não é fácil como se imagina. Dizer um: “não sinto ódio” é bem diferente de não sentir mais ódio. Mudar o discurso é fácil, mas o coração… Ah, isso leva tempo e um bocado de esforço. Percebi que a gente só sente ódio de quem a gente ama, por conta da decepção, da frustração, traição. Então, porque não transformar esse ódio em amor, novamente?

Não há como se sentir ódio de um estranho, alguém que não represente nada para a gente. Para essas pessoas, por quem não sentia nada, aprendi a trabalhar o desprezo. E desprezo não é querer mal, é simplesmente não se importar.

Alguém me mandou uma mensagem negativa, me atacando? Conheço? É importante para mim? Se não é, eu ignoro e desprezo. Se for importante para mim, eu converso (sem patadas, sem ódio, com o coração aberto).

Alguém veio me falar que fulano falou sei lá o que de mim? Desprezo quem possivelmente falou e quem trouxe a fofoca também, porque quem alimenta intrigas é possivelmente muito pior do que aquele que proferiu a inverdade.

Também comecei a me reaproximar de pessoas que eram importantes para mim, que eu amava, mas por conta desse bate e leva, amor e ódio, me afastei. Perdoar e ser perdoado, de verdade, é legal pacas. A gente percebe que é possível refazer nossa história. Se não é reescrevendo um novo começo, que seja construindo um novo final (acho que li isso em um livro).

Não, não sou santa. Ainda me pego pensando cada maldadezinha que vocês não fazem ideia. Todo dia ainda quero mandar alguém para a puta que pariu longe. Tudo é questão de treino. Mas sou um mulherão de verdade e quero, posso e preciso me aprimorar sempre. 😉

Quer trocar relatos de experiências sexuais e tirar dúvidas com outras mulheres gordas? Entre no GRUPO SECRETO DO MULHERÃO, no Facebook, com entrada permitida apenas para mulheres: Clique aqui para acessar

MAIS MATÉRIAS INTERESSANTES