3 de julho de 2015 18:23

Por Renata Poskus Vaz

“Tudo bem ser jornalista e preta, desde que ela não faça sucesso e não ocupe o lugar de uma mulher branca no Jornal Nacional”. Péssima, cruel, desumana, racista e nojenta essa frase, não? Mas infelizmente é assim que pensam milhares de pessoas.

Fingem que não são racistas, mas quando enxergam uma pessoa negra se destacando, destilam todo o seu ódio.

Nesta tarde, a jornalista Maria Júlia Coutinho, conhecida como Maju, que apresenta a previsão do tempo no Jornal Nacional, da Rede Globo, foi alvo de racismo no Facebook. Em uma publicação que falava da previsão do tempo, com a foto da Maju, recebeu mais de 7 mil comentários, muitos com injúrias raciais à jornalista.

Foi triste ver entre os comentários, a jornalista sendo chamada de “macaca”, “puta africana”, “vagabunda”, entre outras agressões. Criminosos usando perfis fakes para revelar o pior de si e tentar acabar com a moral e dignidade de outro ser humano.

maju-racismo

Após a repercussão do caso, a postagem recebeu diversos comentários apoiando Maju e defendendo que os comentários preconceituosos fossem denunciados. O comentário mais curtido no fim da tarde de sexta dizia: “Acabo de fazer um print de todos os comentários dessa postagem e irei levá-lo às autoridades cabíveis. Racismo é crime.”

No vídeo divulgado pelo Jornal Nacional no fim da tarde de sexta, Bonner diz:

somos todos maju

A hashtag #SomosTodosMajuCoutinho já está em primeiro lugar nos trending topics brasileiros no Twitter. O vídeo publicado pelo JN já tem 30 mil curtidas e 10 mil compartilhamentos. A assessoria de imprensa da Rede Globo informou que Maju não vai conceder entrevistas sobre o assunto, e a emissora discute internamente se vai emitir ou não uma nota oficial sobre o caso.