26 de julho de 2018 16:21

Crescemos aprendendo a associar beleza feminina aos cabelos longos. As modelos de capa de revista e mocinhas da novela das oito parecem sempre muito sensuais e lindas com suas longas madeixas. Cabelo curto, para muitas, é penitência, corte restrito apenas para rapazes. Tanto é que este tipo de corte, mesmo quando feito em mulheres, é chamado popularmente como estilo “Joãozinho”. Talvez, por isso, quando se fala de mulheres que raspam a cabeça por livre e espontânea vontade, muitos se chocam. E é para provar que é possível ser maravilhosa com a cabeça raspada que apresento 5 antes e depois de mulheres que decidiram ficar carecas

Amanda Vieira, 24 anos

Há uns dois anos um fotógrafo me sugeriu que eu raspasse a cabeça, mas não dei ouvidos pois era muito apegada ao meu cabelo crespo. No início deste ano, pensei que este seria meu ano das mudanças e me predispus estar aberta para coisas novas em minha vida. Após o término de um relacionamento conturbado, decidi finalmente mudar, me desprender da Amanda apegada a tudo e todos. Acordei um dia de manhã, olhei no espelho e disse: “cara, acho que vou raspar meu cabelo”. Pedi dicas para uma amiga que já havia raspado o cabelo e ela me indicou um barbeiro de confiança. Nem pensei muito, troquei de roupa e fui. Ao raspar, me senti em uma fase libertária, de amadurecimento pessoal, profissional e espiritual. Estou me sentindo uma Amanda mais convicta, firmando a minha personalidade forte ainda mais. Não me arrependo, estou amando essa nova fase, pois foi um auto reconhecimento, uma busca por me sentir renovada e eu consegui essa renovação. Quando meu cabelo começa a crescer, já fico agoniada para raspar novamente. Mulher para ser linda, tem que ser ela mesma.

Pillar de Sá Freire, 27 anos

Ser careca era um desejo antigo, que por anos não realizei pois o meu ex-namorado odiava a ideia. Quando me separei, raspar a cabeça foi finalizar o processo de mudança, amadurecimento e encontro comigo mesma. Enxergo o olhar preconceituoso em algumas pessoas ao me verem careca, julgam minha orientação sexual, falam que me revoltei, me enxergam como um ET. Já ouvi, inclusive, que ia perder meus trabalhos como modelo porque mulher careca tem cara de louca. Mas eu não ligo para todo esse julgamento. Foi a melhor decisão que tomei na minha vida. Vivi anos refém de um padrão, refém de um cara abusivo e quando decidi raspar a cabeça foi a certeza de que estava pronta para recomeçar. Quando ouço algo ruim, entra por um ouvido e sai pelo outro. Eu amo ser careca, chorei emocionada quando raspei a cabeça e me vi assim.

Dimila Mothé, 32 anos

Raspei totalmente o cabelo com máquina 4 em dezembro de 2017, mas já havia algum tempo que estava usando um corte raspado com franjão, estilo o que Rihanna usava em 2018. Raspei pois não estava satisfeita com nenhum corte de cabelo que usava nos últimos 4, 5 anos. Todos me lembravam alguma fase da minha vida. Tenho uma conexão muito grande com o meu cabelo e amo me expressar por meio dele. Corte de cabelo todo raspado era o único que eu não tinha usado, ainda. No primeiro momento, ao me ver careca, estranhei um pouco, mas alguns dias depois eu já estava adorando. É um corte muito estiloso, que dá muito destaque ao rosto, roupas e acessórios. E ainda é muito prático, fresquinho e fácil de cuidar. Faço a manutenção do corte a cada 15, 20 dias, em casa mesmo. O mercado de modelo plus size tem me encarado como uma novidade, pois a maioria das modelos não tem esse corte. Espero que isto signifique uma maior representatividade e diversificação para o mercado plus size, o que é sempre muito necessário e bem-vindo. Não necessariamente o corte de cabelo raspado precisa estar associado apenas a um único estilo, o mais alternativo, ele também pode ser associado ao estilo elegante, chique, moderno, feminino…O estilo que a pessoa quiser.

Cris Hauch, 37 anos

 

Eu queria raspar o cabelo na adolescência, mas minha mãe não deixou. Quando senti que era dona do meu próprio nariz, decidi raspar. Foi libertador. Acho que raspei o cabelo por isso, para ter essa sensação de liberdade. Fiquei com o cabelo raspado por quase 2 anos.  As pessoas se assustaram, muitas achavam que eu estava doente e por isso decidi pintar. Na minha concepção, mantê-lo loiro era dizer que eu não estava fazendo quimioterapia. Não me arrependi, mas hoje não usaria mais o cabelo raspado. Experimentei, gostei, mas passou. Eu não fiz, até hoje, muitos trabalhos como modelo. Mas os poucos que fiz foram depois que comecei a diminuir o tamanho do meu cabelo. Fiquei com um perfil diferente. A Júlia Plus, por exemplo, eu só fiz porque estava careca.

Mariana Rocha, 28 anos

Raspei a cabeça em dezembro de 2015. Sempre gostei de mudar o visual, de ser diferente. Fiz vários procedimentos no cabelo. Usei mega, trança, descolori e colori várias vezes. Passei pela transição capilar também. Minha intenção era raspar, para depois deixar o cabelo crescer naturalmente e cultivar um blackpower. Mas super me identifiquei com o cabelo raspado. Isso me dá a possibilidade de me olhar no espelho sem nenhuma moldura e eu gosto do que vejo. Minha autoestima aumentou ainda mais. Criei até um canal no Youtube falando desta minha nova fase e tenho um vídeo feito só sobre meu cabelo raspado:

https://www.youtube.com/watch?v=ju2XRDNYHpg

Outras modelos plus size no mundo que fizeram sucesso após ficarem carecas:

Stefania Ferrario

A modelo auestraliana Stefania Ferrario encabeçou uma campanha há cerca de 4 anos para que modelos plus size fossem reconhecidas apenas como modelos, sem a expressão plus size. Muito antes de ficar conhecida por seu ativismo em prol das curvilíneas, Stefania fez muito sucesso ao assumir o visual careca.

Elly Mayday

Ao contrário das demais modelos plus size citadas nesta matéria, Elly Mayday não teve opção. Após tratar de um câncer no ovário, ela perdeu o útero e os cabelos. Mesmo com todos os outros efeitos da quimioterapia, ela se mostrou forte e protagonizou editoriais e campanhas de moda, ajudando a quebrar estereótipos e padrões de beleza.

Philomenna Kwao

, m

 

A primeira modelo plus size negra da Grã Bretanha ficou famosa ao ganhar um concurso organizado pela famosa rede de lojas londrina Evans. Embora hoje adote outros cortes de cabelo, Philomenna foi por muito tempo uma poderosa modelo plus size careca, cheia de estilo e atitude, agindo como porta-voz de mulheres gordas e negras.

 

E você, já pensou em adotar um visual careca?


relacionados

Você vai gostar também

...