11 de dezembro de 2019 14:17 Moda e estilo

Por que as marcas plus size usam sempre as mesmas modelos?

Se você é gorda e apaixonada por moda plus size, já deve ter perdido umas boas horas da sua vida navegando por perfis de marcas plus size, seja pelo instagram, facebook ou pelo google.

Para sua surpresa, começa a notar que, em diversas marcas, as modelos utilizadas são as mesmas. E muitas vezes você acaba se confundindo: “peraê, será que já não vi essa loja antes?”. Não, você não viu, mas realmente muitas delas se confundem tendo roupas, estilos parecidos e as mesmas modelos como garotas propaganda.

Isso mesmo, mesmo com milhares e milhares de gordas interessadas em serem modelos plus size, muitas delas investindo em cursos e treinamentos, detentoras de muita beleza e simpatia, nada é o bastante para convencer os proprietários de marcas plus size a investirem em outras modelos para suas campanhas.

E você, sabe por que isso acontece?

  1. Confundir a cliente pode ser o objetivo e não a consequência que as marcas fingem desconhecer

Eu iria deixar esse ponto, que considero o mais polêmico, para o final deste artigo. Mas já que é para expor uma realidade, que já cheguemos cutucando a ferida logo de cara. A verdade é que a maioria das marcas plus size querem tomar para si o público que é de outra marca. Ela estabelece uma marca que deseja ter como referência e concorrente. Copia roupas, modelagens, estampas e, por último, contrata a mesma modelo daquela marca que almeja um dia a se tornar.

A marca copiona não faz sem querer. Percebe que a marca concorrente tem êxito nas vendas e busca reproduzir todos os passos dela em seu próprio negócio.

Não é sem intenção que ela confunde suas consumidoras em potencial. Essa tática ocorre, sobretudo, em marcas de atacado (como algumas do Brás ou outros polos têxteis, como Goiânia e regiões de Santa Catarina) ou grandes multimarcas que não tem um nome forte ou identidade própria. Quando você não sabe quem é, tenta copiar aquele que um dia gostaria de vir a ser.

A grande questão é: funciona? Sim, funciona. Por um certo tempo, a marca copiona e a marca copiada, que parece demonstrar indiferença, parecem se beneficiar de tantas confusões e vendem por um determinado período de tempo.

Porém, um dia “cansa”, surge uma outra modelo como bola da vez. A modelo em anterior já estará com sua imagem por demais desgastada, o que pode ser irrecuperável em curto prazo. Para as marcas, pouco parece importar, o rito de exploração se reiniciará com outra modelo, a nova bola da vez. Só que a falta de identidade dessas marcas, a longo prazo, fará com que ela seja passada para trás por um novo concorrente, desta vez com mais personalidade. Aí, meus caros, sempre é muito difícil correr atrás do prejuízo e do tempo perdido.

Esta bola de neve acaba impactando as centenas de lojas plus size no instagram, que usam as mesmas fotos dos atacadistas, das mesmas modelos desgatadas, vestindo roupas similares, com as mesmas produções, e fazendo as mesmas poses manjadas, para revender esses produtos. Levando as clientes a não confundirem apenas as marcas, mas também as inúmeras lojas que as revendem. Como se destacar neste cenário caótico?

2. Pensam que a modelo famosa pode lhe trazer mais vendas

A modelo plus size conhecida e sensação do momento pode sim aumentar as vendas da marca plus size para a qual trabalha. Principalmente hoje em dia, com o advento do Instagram, em que modelos são também influenciadoras e formadoras de opinião. Elas podem ditar hábitos de consumo e são um grande trunfo, principalmente em lançamentos de novas marcas.

No entanto, engana-se quem acredita que uma grande modelo pode fazer o trabalho sozinha pela marca para qual estrela. Uma grande top model plus size brasileira, por exemplo, assinou coleções para 2 marcas, que logo em seguida fecharam as portas e abriram falência. Sem mangas arregaçadas, muito suor e trabalho, em um país com tantas travas comerciais, não adianta nada ter uma top model em sua campanha. Não é uma modelo que vai salvar a pele de uma marca plus size que é mal administrada.

3. A marca plus size acha que se todo mundo contrata aquela modelo plus size, é porque ela é mais profissional

Às vezes, a marca contrata uma determinada modelo, porque se decepcionou com modelos anteriores e busca uma confiável, que seja profissional. Um pensamento recorrente é: “Se ela trabalha muito é sinal que não dá problema para as empresas para as quais trabalha”. É uma opção segura em tempos que todo mundo busca o sucesso, mas não quer encarar o trabalho árduo de um backstage fotográfico. Só que isso é uma grande bobagem. Há muitas modelos por aí com complexo de estrela, com péssimo comportamento nos bastidores, que inclusive humilham maquiadores e assistentes, enquanto há uma infinidade de novas modelos inexperientes, mas com muito potencial e loucas para ter uma oportunidade de mostrar que podem trabalhar bem.

5. Contratam a mesma modelo de outras marcas plus size porque ela é mais barata

Algumas modelos plus size lindas e super profissionais escolhem trabalhar no sistema de economia de escala. Ao invés de trabalharem para poucas empresas, ganhando mais de cada uma delas, preferem ceder sua imagem para muitas empresas, ganhando um pouquinho de cada. A vantagem é que nunca falta trabalho, a desvantagem é que a imagem dessa modelo plus size desgasta com o tempo e ela é facilmente substituída. As modelos não tem culpa, então nada de julgar a garota que trabalha para muitas empresas! Precisam trabalhar e cada uma é livre para determinar seus valores.

6. As marcas plus size não querem pagar exclusividade para suas modelos

As marcas plus size deveriam compreender o quanto ter um produto consistente e uma imagem bem trabalhada, pode gerar identificação e fidelização em seu público. Há uma forma de garantir que essa modelo não trabalhe para marcas que façam uma concorrência direta à sua: basta oferecer às suas modelos um contrato estável, que lhe garanta um cachê maior e uma quantidade mínima de trabalhos por um determinado período. Isso quer dizer que a modelo não precisará se voltar só para a sua marca, mas evitará trabalhar para empresas de gêneros idênticos. Mas qual a marca que quer desembolsar um cachê digno para sua modelo? Raras, raríssimas! Quase nenhuma.

7. Algumas marcas plus size são muito preconceituosas

Campanha internacional da Gillette com modelo +50

Com exceção das marcas plus size autorais (aquelas bem pequeninas repletas de identidade), que costumam incluir modelos acima do manequim 50, com barriga saliente, além de modelos negras em suas campanhas, a grande maioria das marcas plus size aposta em modelos com manequim até 46 ou no máximo 48. Brancas, cabelos longos, cintura bem marcada, barriguinha chapada e por aí vai. Escolhem mais um protótipo de musa fitness do que uma mulher gordinha da vida real.

Cabe às consumidoras reclamar. Exponham sua indignação, peçam referências de modelos com corpos diversos e o melhor: deixem de comprar das marcas que não te representam!

p.s: Não utilizei fotos de marcas e modelos nacionais para preservar as modelos, e não as marcas. NÃO ATAQUEM MODELOS PLUS SIZE!

Quer trocar relatos de experiências sexuais e tirar dúvidas com outras mulheres gordas? Entre no GRUPO SECRETO DO MULHERÃO, no Facebook, com entrada permitida apenas para mulheres: Clique aqui para acessar

MAIS MATÉRIAS INTERESSANTES