4 de março de 2010 02:10

Por Keka Demétrio

Não penso que a felicidade é algo eterno e constante, na verdade penso que ela pode ter vários níveis e que depende de elaborarmos essa freqüência através de pensamentos, ações e a forma como encaramos a vida. Somos todos anjos e demônios numa luta constante travada dentro de nós mesmos, alimentando ora um, ora outro. Essa luta constante do bem e do mal é que faz a diferença em nossa vida.

Não permita que a sua percepção como ser humano te leve a compreensão e a aceitação do seu instinto de autodestruição, e que se mantenha reticente quanto à sua capacidade de reagir positivamente a seu próprio favor. Procure integrar você à vida como criatura perfeita que é, e saiba ver o sentido real das lições que vem aprendendo no decorrer da sua caminhada.

Liberte sua mente de todos os tabus apregoados pela mídia e pelas pessoas a sua volta, e então revise e reavalie seus conceitos de beleza, amor, amizade, carinho, raiva, ódio, tesão, sexo, paixão, felicidade… Tente da forma que achar melhor, pelo tempo que determinar, mas jamais desista de você mesmo. Não se contente em ser fragmento enquanto que você pode ser inteiro. Só pode completar o outro quem se sente inteiro.

E assim, na medida em que vamos aprendendo, nos tornamos mais fortes e corajosos, e começamos a refutar nosso lado obscuro, aquele que nos derruba, que nos deixa à mercê de comentários e olhares preconceituosos. Não alimente seu lado mau ao dar forças para suas dúvidas, angústias, cansaços, medos, tristezas e esquecendo suas crenças. Alimente seu lado bom de tal forma que tudo vá de encontro com os seus desejos porque parte de nós é o que vivemos e a outra parte é o que desejamos viver.