27 de março de 2009 01:48

boteroGorda, gordinha, gordona, gorducha, fofinha, fofucha, fofolete, fofona, fofão, porpeta, bolota, bolinha, bolão, balão, hipopótamo, elefante, elefantinho, mamute, mamutinho, dinossauro, barriguda, barrigudinha, barrigudona, pancinha, pançuda, pançona, orca, jubarte, baleia, leão marinho, rolha de poço, pneu de caminhão, colchão amarrado, monte de banha, toucinho, pururuca, pururuquinha, barril…

Existem milhares de apelidos ofensivos, desde o aparentemente inofensivo gordinha até os mais agressivos como rolha de poço. Acredite, você não merece e não deve ser chamada por nenhum deles.

Alguns apelidos, no diminutivo, como gordinha e fofinha, escondem por meio de uma falsa delicadeza a verdadeira natureza ofensiva da palavra. Você tem nome e, acredito eu, deve ser sonoramente muito mais agradável do que qualquer apelido que faça referência ao seu peso.

O apresentador de TV Jô Soares, freqüentemente, defende o uso da palavra “gordo” ou “gorda” para definir uma pessoa acima do peso. Segundo ele, não existe gordinho ou gordinha e sim gordo ou gorda. Entretanto, embora o apresentador goste de ser chamado de “O Gordo” e utilize expressões como “um beijo do gordo”, para se despedir da platéia, a palavra em questão é sim extremamente ofensiva.

Segundo o Larousse Cultural, a palavra “gordo” origina-se do latim “gordus”, que quer dizer grosseiro e estúpido. Portanto, nem toda pessoa acima do peso é grosseira ou estúpida o que torna essa palavra completamente pejorativa, ofensiva e dispensável.

Quer ver só? Se alguém pergunta: “quem é a Renata”. Antes de dizer: “é aquela gorda ali”, pode dizer: “é aquela moça de azul”, ou “é aquela moça à esquerda”, ou “é aquela moça sorrindo”. Percebeu?

 

Marido que xinga não merece seu respeito

Se o seu companheiro te chama de alguma forma pejorativa ou faz piadas sobre o seu peso, você pode acabar com isso. Afinal, os homens são meninos grandes. E como todo menino, eles gostam de substituir os nomes das pessoas por apelidinhos.

Caso este seja o caso do seu marido, deixe claro que você não gosta de receber apelidos. Deixe claro o quanto te magoa ser chamada dessa forma.

Quer um exemplo?

“Amor, não gosto quando você me chama assim. Acho o meu nome tão bonito, porque você não me chama por ele. E quando a gente estiver em casa, sozinhos, você pode me chamar de gostosa*”

*Fale como gostaria de ser chamada

Caso ele continue insistindo nos apelidinhos indesejáveis, parta para o ataque. Às vezes, uma provocaçãozinha consegue deixar claro o quanto é triste ser ridicularizado. Por exemplo, quando ele te chamar de gorda ou por qualquer outro apelido ofensivo fale, com muita calma e com ares de superioridade:

“Realmente sou gorda. Mas posso emagrecer. E você? Será que pode voltar a ser um homem educado?”

Ou então, você pode ser um pouco mais agressiva:

“Realmente sou gorda. Mas posso emagrecer e ficar linda. E você que é feio mesmo sendo magro?”

Se depois de todas essas reações contra os apelidos indesejáveis, seu marido insistir em chamá-la assim, tome uma atitude séria! Isso, mais do que uma falta de sensibilidade, é falta de respeito. E ninguém merece ter ao lado, dividindo todos os momentos da vida, uma pessoa que a ofende, como se você uma adversária e não uma companheira.