25 de abril de 2011 19:06

Por Renata Poskus Vaz

Meninas, antes de iniciarmos este artigo, vejam o video abaixo. Trata-se de uma matéria do programa CQC, exibido pela Band e que tratou do assunto obesidade.

Hoje, no Blog de minha amiga, a jornalista e modelo plus size Fabiana Camilo, vi um artigo muito bem escrito e que fazia críticas à esta reportagem. Eu não concordei com a visão dela sobre a reportagem, mas acho legal vocês darem uma conferidinha, clicando aqui. Afinal, apesar de se tratar de uma opinião diferente da minha, pode ser também uma visão que muitas de vocês compactuem.

Quando o CQC compareceu ao FWPS, sabíamos que se tratava de uma reportagem sobre obesidade, mas que o Programa não pararia, de uma hora para a outra, de fazer piadinhas. O repórter não obrigou ninguém a dar entrevista. As modelos que se prontificaram a falar não foram escolhidas por mim, elas mesmo se ofereceram e sabiam que se tratava de um programa com cunho humorístico forte. E, convenhamos, o humor sempre sobreviveu das diferenças, sejam físicas, etnicas ou culturais.

Na minha opinião, o quadro tratou sim da obesidade, mas de uma forma despretenciosa, até mesmo para não fugir do formato do programa. Mostrou um breve relato de especialistas médicos, como nutricionista, cirurgião etc. Também mostrou depoimento de artistas. Fiquei indignada com as declarações de Brito Júnior, que disse que sua esposa não engordaria porque era uma mulher inteligente. Mas é obrigação do veículo de mostrar opiniões divergentes, também. Nós estávamos ressaltando o quanto é legal ser gordinha. E o Brito dizendo o quanto teme a obesidade (mesmo que tenha feito isso de forma preconceituosa e indelicada).

Acredito que as brincadeiras no FWPS aconteceram porque estávamos receptivas a isso. Estávamos sorridentes, radiantes e pouco ligando para o que fossem falar sobre nós. Acho que é assim que deveríamos continuar. Eu não me ofendi com nada.

 Um exemplo interessante do “ligar o foda-se e ser feliz” é o site Papo de Gordo. Eles não ficam levantando uma bandeira da militância gorda. Para eles, ser gordo é um fato e o site serve apenas para mostrar como conviver com isso. Mas não escondem os contras de se estar acima do peso. Eles assumem os riscos e as delícias de serem como são. Os garotos fazem um PODCAST em que transformam a própria gordura em motivo de piada. Eles dividem matérias sobre moda, comportamento, saúde e não ficam polemizando ou se sentindo perseguidos por causa de brincadeiras.

Há muito gordinho por aí que se vitimiza mas é tão preconceituoso quantos os outros seres magros terrenos. A própria Preta Gil, que muitas vezes se disse vítima de perseguições da mídia por estar acima do peso, cansou de divulgar comentários ofensivos no twitter, por exemplo, à participantes de reality show que eram diferentes dela.

Tem vezes que não aguento entrar em alguns blogs por aí. Há gente que ataca gordo que emagrece, gordo que opera o estômoga, gordo que namora magro, gorda que não é tão gorda, programa que faz matéria com gordos, etc… Estamos cada dia mais intolerantes.

Acho que chegou a hora de começarmos a levar a vida numa boa.

p.s: antes que a rádio fofoca comece a correr, esclareço que este texto não é um ataque à Fabiana. Postei o link para o texto dela porque somos amigas e conseguimos debater de forma civilizada sobre qualquer assunto.