15 de agosto de 2011 01:15 Uncategorized

Espaço da leitora: Carol Lages

Por Renata Poskus Vaz

No último Dia de Modelo conheci uma leitora muito especial e com quem me identifiquei muito. Talvez seja pelo fato dela, assim como eu, ser apaixonada por dança. Carol é uma mulher iluminada, bem resolvida e muitíssimo bem amada. Pedi que ela contasse um pouco da história dela para vocês. Segue o depoimento da Carol:

“Ninguém acorda uma bela manhã manequim 52, isso não acontece da noite para o dia. Engordar sempre faz parte de um processo, porém se aceitar assim é um processo muito maior e mais gratificante.

Desde sempre lembro de estar acima do peso, das pessoas falando que eu era gordinha, fofinha. Chamavam-me de vitamina, proteína, a mais gordinha da família e meu pai deixava isso claro me apelidando carinhosamente de “ baconzitos” e Miss Pig. Cresci e a insegurança também. Até os 18 anos nunca tinha namorado e era tímida, do tipo que “fica perdida mas não pede informação”.

Cansada de esperar tudo mudar sem fazer nada, decidi ir atrás do que eu gostava. Larguei o magistério e fui dançar e estudar teatro, pra espanto de todos ao meu redor. Participei de uma oficina de dança contemporânea com o melhor bailarino e ser humano que conheci neste meio, o Sandro Borelli, que tinha como princípio que a dança é uma arte de movimentos que qualquer corpo disposto a isso realiza. Foi o primeiro passo para a minha aceitação!

 Nesta mesma época entrei para um grupo de teatro, emagreci – eu, na minha fase mais magra alcancei, no máximo, o manequim 42 – e me percebi como pessoa e mulher, mas num meio muito cruel que é o das artesem geral. Vireia “gostosona” e descobri o lado B do que eu tanto gostava, porém apreendi a ter jogo de cintura, sair dos testes do sofá e a ter classe lidando com todo tipo de gente. Tudo dando certo, me profissionalizei na área do teatro e da dança, me especializei na cultura cigana e no trabalho com o feminino, o corpo e a aceitação do mesmo.

Em 2004 conheci meu atual marido, em 2006 engravidei e tive o melhor presente da minha vida. Descobri o que era amor de verdade, amor de mãe. Mas como nem tudo são flores, engordei 22 quilos na gravidez e logo após o parto precisei de remédios fortes e além de dores tive que encarar um total de 50 quilos a mais num corpinho que já não era tão “inho”. O pior de tudo não foi a doença, nem o tratamento, foi a reação das pessoas !

 Eu praticamente fui apagada do meio, sempre que encontrava alguém era uma cara de espanto seguida de “nossaaaa como você tá diferente !!!” e eu sabia que não era pra melhor. Isso foi acabando comigo. Não pude mais dançar (evento gorda, nem pensar). Resolvi estudar, fui cursar fisioterapia, encontrei mais preconceitos e depois de 3 anos precisei de ajuda. Não tinha como negar, mas isso tudo estava acabando comigo. Eu estava me largando, só tinha vontade de chorar até o mundo acabar e depois de um assalto (que foi só a gota dágua) me peguei com pânico das pessoas e de sair na rua.

De médico em médico a indicação de todos era a cirurgia bariátrica para os meus 126 quilos da época. No final do processo para a cirurgia, com exames prontos e etc, resolvi que iria tentar de novo. Achar gente muito feliz depois deste procedimento seriíssimo que é a cirurgia é fácil, mas fui atrás de quem estava mal por ter dado errado e os casos eram muitos e chocantes. Não queria aquilo pra mim, não valia a pena arriscar perder a saúde só por causa da pressão do mundo em prol da magreza. Era um tal de tô sem força muscular, não consigo andar, com problema disso e daquilo, precisando de ajuda para as atividades diárias, mas valeu a pena porque estou magra. É um absurdooo. Depois de achar um médico psiquiatra muito fofo combinamos um tratamento alternativo e abdiquei da cirurgia, comecei a  emagrecer com toda a calma do mundo, voltei a dançar e levei a sério os convites para trabalhos como modelo pluz size.

 Neste processo precisava de um lembrete visual, tipo esses que a gente cola na mesa de trabalho ou na porta da geladeira. Então, encarei uma mudança radical com meu cabelo, passei máquina dois e me surpreendi quando me senti linda mesmo careca e acima do peso. Fui obrigada a olhar além do rosto e do cabelão (foco de toda gordinha em fotos) e me vi como um todo: uma mulher feminina, forte e poderosa mesmo sem as longas madeixas.

Foi neste momento, onde consegui dar a volta por cima e me amar além de qualquer pressão externa, que me descobri um mulherão de verdade. Mulherão de carne, curvas, osso, muita sabedoria e amor próprio.”

Veja o ensaio fotográfico que a Carol fez durante o último  Dia de Modelo Plus Size: 

  

 

 

 

Fotos realizadas no Dia de Modelo Plus Size. Fotógrafo: Hilton Costa. Make: Jovianny Sierascky. Cabelo: David Oliveira. Produção: Barbara Poskus, Nathy Arias, Fê Avila e Mayara Russi. Direção: Renata Poskus Vaz.

Quer trocar relatos de experiências sexuais e tirar dúvidas com outras mulheres gordas? Entre no GRUPO SECRETO DO MULHERÃO, no Facebook, com entrada permitida apenas para mulheres: Clique aqui para acessar

MAIS MATÉRIAS INTERESSANTES